Português English

Blockchain, Bitcoin e Criptomoedas: Novos meios?

Blockchain, Bitcoin e Criptomoedas: Novos meios?
4 de maio de 2017 admin

Foi no final de 2008 que tudo começou….já se foram pouco mais de 8 anos e desde então muito se falou e tem se falado  sobre esse engenhoso sistema desenvolvido para funcionar de forma totalmente descentralizada (peer-to-peer) para troca de ativos financeiros sem a necessidade de processadores e validadores intermediários.

Assim nasceu o Bitcoin, que podemos dizer que foi o gênesis de uma nova tecnologia baseada em cálculos matemáticos e criptografia de alto nível que tem como seu principal processo e funcionamento um mecanismo de registro de transações gravadas em bloco e encadeados em sequencia, sendo esses registros verificados e validados pelos participantes da rede através de consenso. Registros esses imutáveis e auditáveis gerando dessa maneira confiança entre agentes que não se conheciam e evitando o “double-spending” ou duplo gasto e, melhor, tudo isso sem a necessidade de controle e validação centralizados que geralmente representam altos custos de infraestrutura e segurança.

Foi então a partir do conhecimento desse mecanismo que deu-se o nome de Blockchain. Nome esse que não estava originalmente presente no paper publicado em Outubro de 2008 pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, mas que o mercado passou a adotar como padrão para definir sistemas baseados nesse mesmo protocolo de funcionamento. Podemos assim afirmar que o Bitcoin foi percursor da primeira grande disrupção ao modelo tradicional de trocas financeiras desde a primeira evolução que ocorreu dos meios de pagamentos manuais para o eletrônico anos atrás. Comprovou-se assim que esse sistema poderia ser utilizado não somente para a cripto moeda Bitcoin, mas também como sendo mais uma alternativa aos meios de pagamento atuais, com novas possibilidades de processamento, disponibilidade, segurança e custos menores.

A partir do início de 2015 que o mercado, especialmente o financeiro, passou a olhar e estudar mas detalhadamente a tecnologia que estava por trás do Bitcoin e perceber que existiam muitos avanços e possibilidades de uso que iam muito além de uma moeda digital inicialmente associada a transações obscuras na Deep Web e restrita ao conhecimento do público geek.

Mas foi somente em 31 de Outubro de 2015 após matéria publicada pela revista The Economist  “The promise of the blockchain – The trust machine” que muitas empresas e pessoas descobriram  que essa tecnologia poderia ser usada para outros fins que não somente o de registro de transações financeiras, mas também para comprovar posse, autenticidade e registro de “time stamp” de forma totalmente distribuída e confiável.

Mas a evolução não ficou restrita a somente transações financeiras, registro de autenticidade e uma alternativa aos meios de pagamento. Em 2013 então um programador e escritor de pouco mais de 19 anos chamado Vitalik Buterin propôs um novo sistema baseado nos mesmos princípios do Blockchain do Bitcoin, mas com a possibilidade de programar determinadas regras e desenvolver contratos inteligentes ou chamados “Smart Contracts” dentro da Blockchain aumentando as suas possibilidades de uso para diversos segmentos. Esse projeto foi denominado Ethereum.

A partir do  Blockchain Ethereum muitas outras indústrias, além da financeira, iniciaram suas pesquisas e testes. Deu-se então o desenvolvimento  de novas Blockchains  para atender determinados setores ou processos específicos de forma publica ou privada. Nesse processo podemos destacar os projetos da IBM com HyperLedger, da VISA com Chain.com, R3CEV com Corda e a da empresa Ripple que desenvolveu uma Blockchain especifica para transações de meios de pagamentos internacionais.

Atualmente a tecnologia Blockchain tem sido amplamente testada em diversos mercados e segmentos além do financeiro, sozinha ou combinada com outras tecnologias tais como: IoT,  Machine Learning,  BOT’s e Big Data que aumentam as possibilidades em diversos serviços tais como: Logística, Identidade, Propriedade e Compliance.

Em relatório sobre os benefícios do uso Blockchain chamado “The Future of Financial Infrastructure: An ambitious look at how blockchain can reshape financial services,” publicado em 2016 no World Economic Forum desenvolvido em conjunto com a Deloitte, até 2027 10% do produto interno bruto (PIB) global estará armazenado na tecnologia Blockchain.

Nessa mesma linha, segundo estimativa feita por um grande banco mundial, os bancos poderão economizar até U$ 20 bilhões/ano com gastos de back-office e infraestrutura associados a cross-border payments, securities trading e compliance.

Novos meios?

Segundo Marc Andreessem  uns dos pioneiros na era da Internet e um dos fundadores da Netscape o ”Blockchain é a mais importante invenção desde a Internet. A Internet mudou o jeito que transferimos informações. O Blockchain está transformando a maneira como nós transferimos valor”.

Não há dúvidas que as novas tecnologias Blockchain , Bitcoin e de Cripto Moedas representam uma mudança no cenário das transações financeiras locais e globais, permitindo uma oferta de meios de pagamentos totalmente descentralizados, seguros e com custo menor por adesão e transação. Junta-se a esse novo momento o desenvolvimento e crescimento das Fintechs, fundamentais para gerar alternativas na inovação em serviços e produtos financeiros.

Ainda existe um longo caminho a ser percorrido para que essa tecnologia esteja presente em nossas vidas no dia a dia, mas o caminho foi iniciado e deve ser sem volta. Para se ter uma ideia o mesmo relatório  publicado pelo World Economic prevê que 80% dos bancos no mundo estão pesquisando, montando equipes internas, realizando PoC – Provas de Conceito e testando o uso do Blockchain em diversos produtos e serviços.

No Brasil, 2017 será um ano de aprendizado disseminação sobre as possiblidades de uso da tecnologia Blockchain nos diversos setores produtivos e um ano das primeiras provas de conceito.

Nesse cenário, podemos concluir que o Brasil passa por um momento único de grandes mudanças e ambiente favorável de colaboração entre empresários e autoridades empenhados na busca de alternativas e inovações para mercado de meios de pagamentos. Esse trabalho em sintonia poderá abrir de vez uma janela de oportunidades para enfim possibilitar a democratização e facilitar o acesso de uma grande parte da população brasileira aos serviços financeiros.

2018? Novos meios?

Marcelo Eisele
Blockchain Academy

Confira o artigo na versão online do anuário: https://app.magtab.com/leitor/154/edicao/17444